Tags

“Os países que praticam a memória são mais vívidos, mais criativos, fazem melhores negócios, melhor turismo, são mais distintos. Os países sem memória são anêmicos, não se movem, são conformistas, e caem numa espécie de cultura de sofá, gente que está sentada no sofá assistindo a televisão… E não se movem. Acredito que a memória é um conceito tão importante quanto a circulação do sangue”.

Patrício Guzmán,  documentarista chileno.

Publicado na seção Arte & Cultura, da Revista Carta Maior em 17/07/2012.

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20581&boletim_id=1288&componente_id=21063

Anúncios